Amazônia 4.0

Amazônia 4.0

Para fomentar uma inovadora bioeconomia de floresta em pé, a Amazônia requer a formação de uma nova geração de especialistas capaz de combinar conhecimentos científicos e oportunidades de mercado. Dessa forma, a iniciativa Amazônia 4.0 se utiliza de duas estratégias: a Rainforest Business School e os Laboratórios Criativos da Amazônia.

A primeira irá estruturar um novo campo de conhecimento de processos, produtos e negócios possíveis em harmonia com a floresta em pé, abrangendo ciência, tecnologias e desenvolvimento de produtos e cadeias de valor, mecanismos de mercado e assuntos socioculturais, através de uma rede de universidades, business schools e cursos on-line.

Os Laboratórios Criativos da Amazônia e empreendimentos inovadores na região servirão como escolas de campo, em vários locais. O Laboratório Criativo da Amazônia (LCA) de Cupuaçu-Cacau, foco deste projeto, é o primeiro piloto da estratégia de desenvolvimento sustentável pelo projeto Amazônia 4.0. O design do LCA Cupuaçu-Cacau é produto de uma etapa anterior do Projeto, já completada, que foi financiada pelo Instituto Arapyaú e pela Good Energies Foundation.

Ele visa implementar um modelo inovador de capacitação voltado para a incorporação de novas tecnologias em processos produtivos, que usa também recursos tecnológicos de ponta no próprio processo de ensino. O domínio de técnicas e ferramentas vão permitir aos participantes:

  1. incorporar qualidade básica aos produtos de cacau e cupuaçu;
  2. agregar conhecimentos locais;
  3. agregar design artístico e cultural;
  4. incorporar certificação de origem aos produtos processados; e
  5. inserir abordagens modernas de negócios, logística e comunicação para comercialização.

Considerando que o design do laboratório cacau-cupuaçu foi concluído em 2019, com apoio do Arapyaú, as atividades principais da fase atual do projeto consideram a construção do LCA C-C, no parque tecnológico da Univap em São José dos Campos, prevendo a elaboração da arquitetura, infraestrutura, equipamentos, softwares etc., a fase de montagem e a instalação do LCA Cupuaçu-Cacau, definição da equipe, metodologia e realização das oficinas de capacitação tecnológica (3 exercícios piloto de capacitação em comunidades da região amazônica).

A estrutura física do LCA contém uma edificação geodésica temporária, modular, com os ambientes planejados para capacitação e produção, contendo todos os equipamentos e tecnologias concebidas dentro do conceito de Amazônia 4.0 para a cadeia Cupuaçu-Cacau. Todo o Laboratório é composto de elementos portáteis acomodados em containers que podem viajar de barco, caminhão ou avião para qualquer localidade da Amazônia. A área total planejada para esses diversos módulos é de cerca de 50 m2.

Mini-Documentário do projeto 

A produtora independente Grape ESG produziu documentário enfocando as principais ameaças à Floresta Amazônica e o Projeto Amazônia 4.0, intitulado “Amazônia 4.0 – The Reset Begins” (assista no YouTube). Este documentário foi lançado no dia 22 de abril de 2021, Dia da Terra, e venceu como Melhor Documentário na categoria Prêmio Especial do Júri, do Europe Film Festival UK (EFFUK), no Reino Unido. Venceu também no New York International Film Awards – NYIFA, na categoria Best Documentary Short (Melhor Curta Documentário). Por último, o documentário conquistou o prêmio de Melhor Filme Ambiental da Cannes World Film Festival.

Se quiser aprofundar o seu conhecimento sobre a Amazônia 4.0, seguem abaixo dois links com leituras complementares:

Indústria 4.0 chega à Amazônia: projeto quer salvar a floresta levando tecnologia de ponta

Projeto Amazônia 4.0: definindo uma terceira via para a Amazônia

Leia também reportagens produzidas sobre a iniciativa:

Amazônia 4.0: As biofábricas de Carlos Nobre começam a sair do papel

Projeto de fábrica de chocolate será apresentado a comunidades tradicionais de Santarém e Belterra